20 de out de 2010

Mais uma queima de bandeira na UFV

Na madrugada do sábado passando, foram queimadas as bandeiras da Via Campesina e do Movimento dos Trabalhadores Rurais (MST), que estavam hasteadas no gramado da Praça de Convivência da UFV. As bandeiras estavam na barraca de incrições do III Seminário de Questão Agrária. 

A atitude facista de queimar bandeiras de grupos oprimidos, que buscam um espaço dentro da universidade, está se tornando comum. O fato já aconteceu anteriormente com o grupo de diversidade sexual Primavera nos Dentes, que teve a bandeira do orgulho gay queimada.



Abraixo segue a nota de repúdio do MST e parceiros.
Movimento do Trabalhadores Rurais Sem Terra
Brigada Manoel Marulanda - Zona da Mata - MG

VAMOS TRANSFORMAR O FOGO DAS BANDEIRAS
EM ENERGIA NA LUTA , POIS NÃO HÁ CINZA QUE NOS PARE!
NOTA DE REPÚDIO À QUEIMA DA BANDEIRA DO MST E DA VIA CAMPESINA

Foram queimadas, dentro do campus da Universidade Federal de Viçosa, as bandeiras do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e da Via Campesina, na madrugada do último sábado, dia 16 de outubro. Estes símbolos representam organizações que lutam pela reforma agrária e que são protagonistas da história deste país. O MST e a Via Campesina são responsáveis pela conquista de dignidade para muitas pessoas que compõem uma classe alijada dos seus direitos, para trabalhadores encarregados de gerar a riqueza neste sistema desigual e cruel em que vivemos.
As bandeiras se encontravam hasteadas por ocasião do III Seminário de Questão Agrária, um evento democrático que propõe discussões profundas sobre a realidade do campo, que contava com a participação de estudantes de Escolas Família Agrícola, professores e estudantes universitários, camponeses representantes de movimentos sociais e de sindicatos. Este contexto marca o caráter fascista deste ato, uma vez que a queima destas bandeiras representa a materialização da intolerância dentro de um espaço que se propunha ao diálogo.
A história da UFV é marcada pela cultura da intolerância, a qual demonstrar determinados posicionamentos políticos tem como efeito reações violentas e desrespeitosas. Forjada para servir aos filhos dos coronéis, esta Universidade sempre teve seu espaço demarcado pela presença do latifúndio e da chibata. A queima de bandeiras e a desmoralização dos símbolos dos movimentos sociais, fatos recorrentes dentro da UFV, provam que este passado não foi superado e que o agronegócio se entranha cada vez mais nesta instituição, reafirmando sua influência nefasta.
Diante disto, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra vem a público manifestar REPÚDIO ao ato fascista de queima destas bandeiras, que serviu somente para a reafirmação de valores intolerantes e anti-democráticos.
“Os poderosos podem matar uma,
duas ou até três rosas,
mas jamais poderão deter a primavera.”
 Che Guevara
MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA

Junto ao MST, assinam esta nota:
Consulta Popular
Executiva Nacional de Estudantes de Biologia - ENEBIO
Federação de Estudantes de Agronomia do Brasil - FEAB
Associação Brasileira de Estudantes de Engenharia Florestal - ABEEF
Associação de Geógrafos do Brasil - Seção local Viçosa
Movimento dos Atingidos por Barragens
Marcha Mundial das Mulheres
Grupo Movimente-se

ATENÇÃO: CONVOCAMOS A TODOS E TODAS QUE APÓIAM O MST E A VIA CAMPESINA E SE MANIFESTAREM. QUEM ESTIVER EM VIÇOSA, USE A CAMISA DO MOVIMENTO PARA COLORIR ESTE CAMPUS COM A COR DA NOSSA LUTA E DEMARCAR NOSSO ESPAÇO.

*fotos cedidas por Túlio.

5 comentários until now.

Catoper + 27 de novembro de 2010 11:46 (#) :

Não é a questão agrária que assusta o país, mas sim atitudes facistas como esta.

Podemos sim não apoiar, porém não cabe aos covardes estudantes artistas desta peça ridícula a oprimir mais ainda os movimentos sociais.

É através de atitudes como esta que descobrimos o quanto teremos que avançar.

Denis

Everton Ferreira + 28 de novembro de 2010 16:53 (#) :

Fonte confiável?

Todos estudantes que venho conversando aqui da UFV desconhece a história dessa "nova bandeira queimada".

o autor desse blog deveria ter o mesmo respeito que pede aos movimentos sociais, para respeitar a ufv e evitar espalhar boatos.

Thais Faria + 29 de novembro de 2010 11:25 (#) :

A queima da bandeira aconteceu durante o Seminário de Questão Agrária e as fontes do ocorrido, inclusive as fotos, são dos militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra.

Os estudantes não saberem sobre isso não é novidade, apenas uma pequena parte toma conhecimento de algumas práticas ocorridas na UFV.

A queima da bandeira do orgulho LGBTT foi de conhecimento público por que aconteceu em uma situação pública. Já a queima das bandeiras do MST e da Via Campesina aconteceu na madrugada, quando ninguém estava por perto.

Caso necessite de uma confirmação procure a Reitoria da UFV ou os registros das cartas de repudio que os movimentos soltaram na internet e por listas de e-mail.

Nós do Bangalô de Flores não temos motivo para invertar fatos.

Maloca + 29 de novembro de 2010 15:01 (#) :

A queima da bandeira do orgulho gay aconteceu na Nico Lopes de 2009. Aconteceu um processo administrativo e há um vídeo provando.

Agora a bandeira do MST e da Via Campesina amanheceram queimadas durante o Seminário de Questão Agrária. É bem improvável que os movimentos sociais forjassem uma agressão a eles próprios, quando estão buscando uma aproximação com a universidade. Não acha?

Anônimo + 25 de janeiro de 2011 19:32 (#) :

Deveríamos queimar a intolerância, o preconceito racial( cor de pele ) tão comum na nessa região.

Postar um comentário

 
Creative Commons 2009-2010 Bangalô de Flores. Powered by Blogger Criado por Deluxe Templates. Adaptado por Lílian Alcântara e Lívia Alcântara